Sem leitos UTI disponíveis, MS tem 181 pacientes com covid à espera de vaga para internação

Publicado em

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Mato Grosso do Sul vive há pelo menos duas semanas o caos no sistema de saúde, sem vagas em UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para novos pacientes com covid. Com isso, 181 pacientes aguardam a liberação de leitos para internação em todo o Estado.

Conforme a SES (Secretaria Estadual de Saúde), a maioria desses pacientes estão em Campo Grande. Assim, na Capital, são 96 pessoas aguardando uma vaga.

Então, somando todas as 18 cidades que compõem a macrorregião de Campo Grande, são 130 à espera de uma vaga.

Em Três Lagoas, são 15 pacientes aguardando a liberação de leitos para covid. Já em Dourados, 10 pacientes aguardam uma transferência. Entre os demais municípios, São Gabriel do Oeste e Maracaju têm 4 pacientes cada na fila.

Mais de mil internados

De 212.419 casos confirmados em MS, 193.823 pacientes se recuperaram. Há 13.288 pacientes em isolamento domiciliar. Em relação às internações, MS tem 1.144 pacientes internados. Destes, 693 estão em leitos clínicos (483 públicos e 210 privados) e 451 em leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva), dos quais 345 estão em leitos públicos e 106 em privados.

A taxa de ocupação de leitos de UTI públicos global nas 4 macrorregiões de MS é de: 107% em Campo Grande, 92% em Dourados, 94% em Três Lagoas e 100% em Corumbá.  O excedente da capacidade, no caso de lotação acima de 100%, representa pacientes em leitos COVID-19 ainda não habilitados pelo SUS, mantidos pelas secretarias municipais e estadual de saúde.

Mais Artigos

Polícia prende homem por receptação no Buriti

Investigadores de Polícia do GOI (Grupo de Operações e Investigações) da Polícia Civil prenderam um homem de 44 anos, no Núcleo Habitacional Buriti, nesta terça-feira (20) por receptação.

Santa Casa de Corumbá Normas Para Visitas

Diante da Emergência em saúde Pública de Importância Nacional ( Espin ) por doença respiratória, causada pelo coronavirus (2019-nCoV) e considerando-se as recomendações da Organização Mundial de Saúde