Pandemia pode levar 3,5 mil empresas à recuperação judicial e à falência, diz estudo

Publicado em

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Estudo da Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia traça um cenário bastante ruim para empresas brasileiras em meio à pandemia.

De acordo com o levantamento adiantado ao blog, cerca de 3.500 companhias irão pedir recuperação judicial ou entrar em falência nos próximos meses.

Os dados mostram que a inadimplência pode crescer 294% em relação a um cenário sem a pandemia, atingindo 271 mil empresas no Brasil.

Segundo especialistas, a inadimplência por mais de 90 dias é um estágio que precede a recuperação judicial e “contagia” a cadeia de produção ao afetar diversas empresas em série.

Como o processo de recuperação judicial tem custo alto, o número reflete médias e grandes empresas. As micro e pequenas em geral fecham antes.

Em média, mais de 50% dos processos de falência continuam abertos após 13 anos e a morosidade deprecia o capital das empresas em 51%.

O estudo da SPE se baseou no impacto de crises financeiras anteriores, como a de 2014-2016, apesar de considerar que o impacto da pandemia do coronavírus na economia brasileira não tem precedentes.

Para tentar diminuir o impacto, a nota indica como medidas a serem tomadas:

  • a ampliação do crédito – especialmente a micro e pequenas empresas;
  • desonerações,
  • a discussão urgente da modernização da lei de falências que já tramita no Congresso;
  • medidas que melhorem a mobilidade no mercado de trabalho, ajudando trabalhadores a conseguirem se adaptar a novos empregos, em setores que se mantiveram ou cresceram em meio à crise econômica.
Mais Artigos

Abertas Inscrições Para Festival de Pesca

Estão abertas as inscrições para o Festival Internacional de Pesca Esportiva de Corumbá. Promovido pela Prefeitura, o evento acontece entre os dias 3 e 5 de abril no