Números indicam que MS deve ter um outubro um mês semelhante a junho em relação a pandemia, diz secretário de Saúde

Publicado em

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Nesta sexta-feira foram confirmadas mais 9 mortes e 546 novos casos.

O secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende, apontou nesta sexta-feira (16) que os números da Covid-19 até agora indicam que Mato Grosso do Sul deve ter em outubro um mês semelhante ao de junho, antes do pico da pandemia, o que reforça a percepção de que a doença está em descenso em Mato Grosso do Sul.

Lembrou, entretanto, que para que isso ocorra é preciso a colaboração da população, no sentido de evitar aglomerações, usar máscara e manter as regras de higiene para prevenir a disseminação do novo coronavírus.

Nesta sexta-feira foram confirmadas mais 9 mortes por Covid-19. A média móvel caiu para 9,9 por dia, nos últimos 7 dias e o total de vidas perdidas para a doença chegou a 1.478.

Em relação aos casos, hoje foram mais 546 registros confirmados. A média móvel oscilou para 350,7 por dia e o total de infectados no estado atingiu 76.547.

O secretário comentou que a taxa de contágio permanece em 0,96%, o que é um bom sinal. Ele disse que torce para que ela caia ainda mais, deixando ainda mais claro o declínio da doença.

O estado tem 4.112 casos ativos de Covid-19. Estão cumprindo isolamento domiciliar 3.747 pessoas e 365 estão internadas, sendo 192 em leitos de terapia intensiva. A taxa de ocupação de leitos de UTI do Sistema Único de Saúde (SUS) é de 44% no estado.

Em contrapartida, Mato Grosso do Sul tem 70.957 pessoas recuperadas da doença.

O Laboratório Central (Lacen), em Campo Grande, tem 518 amostras de testes da Covid-19 na fila.

Os municípios possuem 3.427 casos suspeitos sem encerramento.

Desde o começo da pandemia o estado já realizou 295.080 testes para a detecção da doença.

Mais Artigos

Presídio de Corumbá COVID19.

A situação é preocupante para na penitenciária de CORUMBÁ_MS. Desde o dia que divulgamos caso de covid19 entre detentos, no nosso site e redes sociais, familiares não pararam