Mesmo com a crise, preço não muda e chipa de R$ 1 ainda é tradição em Campo Grande

Publicado em

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Mais popular do que passeio no Parque das Nações Indígenas a tradicional chipa de R$ 1 é encontrada facilmente em qualquer região da cidade. Seja para o café da manhã ou lanche da tarde, o alimento se tornou um item quase que indispensável na dieta do campo-grandense. Entre crises econômicas e uma pandemia, o preço desse produto continua incrivelmente intocável. Mas, como isso é possível? A equipe de reportagem do Jornal Midiamax visitou três regiões da Capital para entender a questão.

Como mais de dez anos no mercado, Gilvan Hobold, de 52 anos, é proprietário de uma padaria no bairro Vila Sobrinho e um dos precursores desse movimento. “ Há dez anos era eu e mais dois comerciantes que vendíamos com esse preço”, detalhou Gilvan.

Ele conta que a estratégia para manter o preço baixo é negociar a matéria prima com o produtor e armazenar o queijo caipira, que influencia em 60% no preço da chipa, para o período de estiagem. “Na seca, entre setembro e dezembro, o preço do queijo chega até R$ 30,00. Armazeno o produto no período das chuvas, quando varia entre R$ 13,00 e 18,00”, detalhou o comerciante.

O proprietário também explica que a margem de lucro em cada unidade vendida é pequena, mas gira muito e faz com que outros produtos sejam vendidos. “É um chamariz, o cliente sempre leva outra coisa. Vendo em média de 800 chipas por dia”, detalha.

No centro de Campo Grande, o cardápio de uma chiparia varia entre o clássico modelo em formato de ferradura e outros 15 sabores Gourmet, que ajudam a equilibrar os números. “Procuramos matéria prima barata no fornecedor, mas o provolone, calabresa, bacon e outros produtos subiram.  Aumentamos o valor dessas e mantemos a tradicional em R$1, uma compensa a outra”, explicou o gerente João Carlos, de 42 anos.

Diariamente, o comércio vende cerca de 700 exemplares do modelo mais popular, que rotineiramente, não sai sem um acompanhamento. “E um chamativo, o cliente vê os outros sabores e levam”, finalizou  João Carlos.

Perfil do Consumidor

No grande Aero Rancho, a atendente Ana Paula Barbosa, de 32 anos, reforça que o lucro é óbito na quantidade vendida, com mais de 500 unidades por dia. Além do giro, o padrão do consumidor é sempre muito similar. “São pessoas de todas as idades, mas a maioria é trabalhador”, detalhou Ana Paula.

Conforme a atendente, essa amostragem fica mais nítida nos horários de pico. No período da manhã das 6:30h às 7:30h e no turno da tarde entre 16:30h e 17:30 h. “Você vê todo mundo chegando de uniforme, tem gente que leva entre 10 e 15 chipas” finalizou Ana Paula.

Mais Artigos

Nesta Sábado 24/04 tem vacina contra COVID

Com dois pontos de vacinação, tanto drive thru com ponto fixo, a vacinação ocorrerá das 7h30 às 16hs, sem intervalo para almoço, no Poliesportivo Lucílio de Medeiros, na Porto Carreiro e na