Energisa doa 20 toneladas de alimentos para animais ameaçados pelas queimadas no Pantanal

Publicado em

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

A concessionária responsável pelo abastecimento de energia elétrica na maioria das cidades de Mato Grosso do Sul, a Energisa, doou 20 toneladas de alimentos para os animais que foram ameaçados pelas queimadas na Serra do Amolar, em Mato Grosso do Sul. Além de frutas, legumes e ração, o grupo também contribuiu com combustível para transportar toda a comida pelo Pantanal.

Segundo Isabel Vasconcellos, gerente de sustentabilidade do Grupo Energisa, a empresa tem o foco de prover alimentos a mamíferos e aves, já que as árvores frutíferas do Pantanal foram perdidas para o fogo.

Com ajuda de instituições parceiras, pesquisadores monitoraram a área do Amolar por duas semanas para verificar as populações de animais presentes na região e traçar a melhor estratégia para sua alimentação. Sendo assim, escolheram frutas e legumes menos perecíveis, como laranja, abóbora e melancia, que são colocados em árvores e no chão, visando atender a diferentes espécies. Os voluntários também distribuem rações de equinos, cães, aves e milho seco.

No Mato Grosso do Sul, os voluntários precisam de aproximadamente mil litros de gasolina por semana para concluir a doação e, com a ajuda da Energisa, será possível manter o suprimento por mais de um mês no estado.

Letícia Larcher, bióloga do Instituto Homem Pantaneiro (IHP), afirma que o objetivo é tentar dar uma oportunidade para que os animais aguentem até a chegada da chuva e as árvores rebrotarem e voltarem a fornecer frutos.

A bióloga afirma também que o suprimento é fundamental para manter vivas espécies que são presas dos grandes carnívoros, como a onça pintada e a jaguatirica, e manter em harmonia a cadeia alimentar do bioma.

Mais Artigos

VACINAÇÃO CONTRA H1N1 ATINGE 98,60%

Cerca de 35.909 pessoas em Corumbá foram vacinadas contra H1N1. Apesar de a meta geral ter sido atingida, a imunização de crianças de 2 a 4 anos foi