Câmara vota hoje ajuda aos Estados e MP que criaria 4 mi de empregos

Publicado em

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Os deputados federais também irão analisar a ampliação da lista de trabalhadores informais beneficiados pelo auxílio emergencial de R$ 600

A Câmara dos Deputados votará nesta segunda-feira (13) três projetos: ajuda aos Estados em razão do CoVID19 a Medida Provisória do Contrato Verde e Amarelo e a ampliação da lista de trabalhadores informais beneficiados pelo auxílio emergencial de R$ 600.

Os deputados irão votar primeioo projeto de lei complementar 149/2019, que dispõe sobre a ajuda aos Estados em razão da calamidade pública decretada em decorrência da covid-19. O país registra, até a último sábado (11), 1,124 mortes e o número de casos chega a 20.727.

Leia mais: Economistas criticam ‘pauta-bomba’ de ajuda financeira a estados

A proposta tem o objetivo de aliviar o caixa dos Estados e municípios durante a pandemia. Entre as medidas, estão a suspensão de dívidas, linhas de financiamento, novos limites de endividamento e adiamento do prazo para pagamento de precatórios. A matéria tem sido a nova queda de braço entre Legislativo e Executivo. 

Em uma nova sessão, os parlamentares irão analisar a medida provisória 905/2019, Editada em novembro do ano passado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), faz parte de um pacote de medidas do governo federal para reduzir o desemprego no país, que atinge a marca de 12,3 milhões de desempregados de acordo com último censo divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Veja também: “Lógico que preocupa”, diz Bolsonaro sobre socorro a Estados

Com o projeto, a estimativa do Palácio do Planalto é criar quatro milhões de empregos até 2022 com medidas como desoneração para as empresas e novas regras para trabalho aos domingos e feriados. A MP prevê, entre outras medidas, reduzir encargos e direitos trabalhistas para facilitar a contratação de jovens entre 18 e 29 anos. Os contratos, segundo a proposta, serão de dois anos e o salário máximo de R$ 1.567,50.

Mais Artigos

Rapaz é morto com tiro no peito

Corpo foi encontrado na rua, ao lado de um carro. Amigo da vítima, que trabalhava com ele em açougue, também teria sido morto por empresário. Suspeito fugiu e