Câmara Municipal de Corumbá Estuda Lei contra Pessoas que Depredam Patrimônio Público

Publicado em

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Depredador de Patrimônio Publico Que se Cuide

Uma lei mais rigorosa para punir pessoas que praticam atos de vandalismo contra o patrimônio público, é o que pretende a Câmara Municipal de Corumbá no sentido de combater ações como as que ocorrem em um dos pontos turísticos mais visitados da cidade, o Cristo Rei do Pantanal, localizado no Morro do Cruzeiro.

A proposta foi apresentada pelos vereadores Yussef Salla e Tadeu Vieira, por meio de um Projeto de Lei, que está em tramitação na Casa de Leis, e prevê aplicação de multas para quem pichar, depredar, destruir ou mesmo praticar outros meios que danifiquem o patrimônio público, além de ser obrigado a reparar os danos causados.

A ideia é fazer com que o Município tenha uma lei específica, mais abrangente e rigorosa, reforçando o que já determina o artigo 7º do Código de Postura que prevê que “o responsável por danos a bens públicos municipais, existentes nos logradouros e prédios públicos, fica sujeito à sua perfeita recuperação ou indenizado, nos casos em que a recuperação seja impossível, independente das demais sanções cabíveis”.

Ao apresentar o Projeto de Lei em novembro, Yussef Salla e Tadeu Vieira destacaram que a proposta é justamente “obrigar a pessoa que danificar o patrimônio público, a reparar integralmente, além de pagar multa equivalente ao valor do dano material causado”.

Prevê ainda que quando o autor do dano for absolutamente ou relativamente incapaz, o dever de indenizar e pagar a multa prevista recairá sobre seus responsáveis legais, e que as sanções não eximem o infrator ou seus representantes legais, da responsabilidade civil e criminal a que estiverem sujeitos, exceto quando se tratar de pinturas, grafites e outras manifestações artísticas, desde que expressamente autorizadas pelo Poder Executivo.

“Apresentamos o Projeto de Lei como forma de combater danos, poluição visual e desrespeito ao patrimônio público, que tem ocorrido com frequência em Corumbá”, destacam os vereadores em suas justificativas.

“Todo patrimônio público, seja ele histórico, tombado ou cultural pertence a todos nós. Ele conta a nossa história, a história de nossa terra. Ele ascende o sentimento de pertencimento, além de retratar a nossa cultura. Não se pode tolerar, portanto, deixando impune, os atos de vandalismo que destroem, danificam, desvalorizam e, sobretudo, desrespeitam nossos bens”, continuam.

“Ainda que haja previsão na lei civil e penal para a responsabilização dos infratores, na grande maioria dos casos, os atos de vandalismo seguem impunes. E essa impunidade precisa diminuir, pois é ela que acaba por estimular as infrações. O exercício do direito de manifestação encontra limites e estes devem ser estabelecidos e fiscalizados pelo município”, prosseguem.

Yussef e Tadeu destacam a importância das ações de conscientização em torno da preservação dos bens públicos na escola e no seio familiar, na tentativa de impedir atitudes desrespeitosas, mas que a “advertência por meio de uma penalidade eficaz, é um importante reforço”.

A proposta foi pensada como forma de resgatar o civismo, a ideia de valores como ética, cidadania, respeito e preservação do patrimônio público. “A responsabilização dos infratores ou seus representantes legais através de medidas que inibam a iniciativa ou a reincidência é medida que requer urgência”, complementam.

Iniciativa importante

O Projeto de Lei, conforme o presidente do Poder Legislativo, Roberto Façanha, deverá entrar na pauta logo nas primeiras sessões do ano, tão logo sejam concluídos os trâmites legais. Ele elogiou a iniciativa dos dois vereadores, ressaltando que é preciso uma lei mais rigorosa para punir quem pratica atos de vandalismo contra o patrimônio público.

“Corumbá é uma cidade histórica, cultural. Possui um rico patrimônio e não podemos permitir que seja danificado. O que tem acontecido no Cristo Rei do Pantanal é inconcebível. Devido a atos de vandalismos, a Prefeitura está sendo obrigada a aplicar recursos públicos para, mais uma vez, restaurar as estátuas que integram a Via Sacra”, disse Façanha, referindo-se ao anúncio da execução de obras para recuperação de toda a estrutura do Cristo Rei.

As obras foram anunciadas pelo prefeito Marcelo Iunes diante da importância em manter o espaço digno para residentes e turistas. No local serão investidos R$ 237.233,52 em obras de pintura interna e externa das dependências do CAT (Centro de Atendimento ao Turista), reparos diversos (vidros, corrimão, fechaduras, espelhos), recuperação da Via Sacra (restauro e pintura das estátuas), restauro e pintura do Cristo Rei, instalações hidráulica e elétrica, impermeabilização das lajes do CAT, corredores, banheiros, e lanchonete, reparo de instalações elétricas, substituição de refletores de lâmpadas por led, troca de tomadas e interruptores, aterramento de cabos, recuperação do portão de acesso, instalação de alambrado na subida da Via Sacra e colocação de Guarda Corpo.

Além das intervenções descritas, em um segundo momento, a Fundação de Turismo do Pantanal implantará no equipamento, nova sinalização e programação visual, oferecendo aos visitantes todas as informações necessárias sobre os atrativos disponíveis na localidade.

Ainda segundo a diretora-presidente, Elisângela Oliva, um projeto de vídeo monitoramento está pronto e deverá ser implantado, visando coibir os atos de vandalismo sobre as obras de arte e o patrimônio público. As obras devem ser iniciadas em fevereiro.

Mais Artigos

Imposto de renda Pode Ser Destinado Para CMDCA

Para contribuir com os projetos sociais relacionados às crianças e jovens em vulnerabilidade social, o Conselho Municipal de Direitos da Criança e Adolescente (CMDCA) de Corumbá lembra que